Política

Câmara retomará nesta terça-feira (30) votação da MP de ajuda a empresas

29 de Junho de 2020 às 07h43 - Por: Agência Câmara Foto: Maryanna Oliveira | Câmara dos Deputados
[Câmara retomará nesta terça-feira (30) votação da MP de ajuda a empresas]

MP autoriza a concessão de crédito para pequenas e médias empresas pagarem suas folhas de salários

O Plenário da Câmara dos Deputados vai retomar na terça-feira (30) a análise da Medida Provisória 944/20, que concede uma linha de crédito especial para pequenas e médias empresas pagarem sua folha de salários em meio à crise decorrente do coronavírus. A MP é o item único da primeira sessão de terça, marcada para as 13h55.

Entre outros pontos, o texto do relator autoriza os empréstimos para financiar salários e verbas trabalhistas por quatro meses. O texto original da MP previa o empréstimo para pagamento de salários por dois meses.

Receita até R$ 50 milhões
O relator ampliou ainda os tipos de pessoas jurídicas que poderão ter acesso ao empréstimo subsidiado. Além de empresários, sociedades empresárias e sociedades cooperativas, exceto as de crédito, poderão recorrer a ele as sociedades simples, as organizações da sociedade civil e os empregadores rurais (pessoas físicas ou jurídicas).

Para pedir o empréstimo, o interessado deve ter obtido, em 2019, receita bruta anual superior a R$ 360 mil e igual ou inferior a R$ 50 milhões. O texto original fixava o limite superior em R$ 10 milhões.

As operações de empréstimo poderão ocorrer até 31 de outubro de 2020, em vez de 30 de junho, como previa a MP original.

Segundo o Banco Central, cerca de 107 mil empresas contrataram esse empréstimo até o dia 22 em um valor global de R$ 4 bilhões, beneficiando cerca de 1,8 milhão de trabalhadores. A estimativa do governo era atingir 12 milhões de funcionários em 1,4 milhão de empresas.

Pagamento direto
Se o empregador mantiver o pagamento da folha de salários na instituição financeira com a qual negociar o empréstimo, o pagamento aos funcionários deverá ser feito diretamente pela instituição.

De qualquer modo, o pagamento somente poderá ser feito com depósito em conta titular do trabalhador. Além disso, o contrato deverá especificar as obrigações, entre as quais a de não demitir, sem justa causa, os empregados durante o período da contratação e por até 60 dias após a liberação da última parcela da linha de crédito.

A proibição de demitir será na mesma proporção da folha de pagamento financiada. Assim, se o empregador optar por financiar o pagamento dos salários de metade dos funcionários, a proibição de demitir será restringida a esse pessoal.

Além de ter de fornecer informações verdadeiras sobre sua folha de pagamento, o contratante não poderá usar os recursos para finalidade diferente do pagamento da folha ou de verbas trabalhistas. Se descumprir essas condições, o vencimento da dívida será considerado antecipado.

Subsídio
Chamado de Programa Emergencial de Suporte a Empregos, o mecanismo funcionará com repasse de R$ 34 bilhões da União para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que será o agente financeiro do governo a título gratuito, ou seja, sem remuneração.

O programa prevê a participação de instituições financeiras privadas na concessão do empréstimo, que entrarão com 15% dos recursos emprestados ao tomador final. Os outros 85% virão desse valor colocado no BNDES, que repassará aos bancos e receberá os reembolsos das parcelas ou cobranças, devolvendo os recursos à União.

O pedido de empréstimo poderá ser feito no valor equivalente a dois salários mínimos por empregado (R$ 2.090,00).

No entanto, o relator retirou a exigência de que, para ter acesso à linha de crédito, a empresa tivesse sua folha de pagamento processada por instituição financeira participante do programa.

Comentários

Outras Notícias

[Mourão diz que desmatamento foi além do aceitável na região amazônica]
Política

Mourão diz que desmatamento foi além do aceitável na região amazônica

13 de Julho de 2020

Queimadas tiveram redução de 20% no 1º semestre, disse vice-presidente

[Ex-advogado da família Bolsonaro diz que Queiroz não teve “mínimo de bom-senso” ao usar imóvel em Atibaia]
Política

Ex-advogado da família Bolsonaro diz que Queiroz não teve “mínimo de bom-senso” ao usar imóvel em Atibaia

13 de Julho de 2020

Wassef afirmou que ajudou o ex-assessor por ter “sensibilidade especial”

[Câmara promove debate sobre transparência dos gastos públicos durante a pandemia]
Política

Câmara promove debate sobre transparência dos gastos públicos durante a pandemia

13 de Julho de 2020

Iniciativa é do secretário de Transparência da Câmara, deputado Roberto de Lucena

[Rodrigo Maia quer deixar presidência da Câmara com reforma tributária aprovada]
Política

Rodrigo Maia quer deixar presidência da Câmara com reforma tributária aprovada

13 de Julho de 2020

Presidente tocará reforma com ou sem Paulo Guedes

[Proposta prorroga isenção da conta de luz para consumidor de baixa renda ]
Política

Proposta prorroga isenção da conta de luz para consumidor de baixa renda

12 de Julho de 2020

Projeto prevê ainda a liberação, no mesmo período, da cobrança do consumo de água igual ou inferior a dez metros cúbicos

[Novo ministro da Educação apaga vídeo com defesa de castigos físicos a crianças]
Política

Novo ministro da Educação apaga vídeo com defesa de castigos físicos a crianças

12 de Julho de 2020

Ele ainda endossa crime de femincídio, atribuindo o ato à louca paixão

Galeria

[Barragem se rompe e inunda ruas da cidade de Coronel João Sá]

Barragem se rompe e inunda ruas da cidade de Coronel João Sá

11 de Julho de 2019

Ver todas as galerias

Vídeos

[Prefeito de Itabuna afirma que reabertura do comércio vai acontecer “morra quem morrer”]

Prefeito de Itabuna afirma que reabertura do comércio vai acontecer “morra quem morrer”

03 de Julho de 2020

Ver todos os vídeos